Especial Dia dos Pais: entenda seu papel no desenvolvimento do seu filho

11 de agosto 0 comentario(s)

Ser pai vai muito além de colaborar financeiramente, de ajudar quando é solicitado, de dar broncas quando necessário. É tão trabalhoso quanto ser mãe. Exige paciência, dedicação e muito amor. Você, com certeza, já ouviu aquela máxima: não se nasce pai, torna-se pai. E é exatamente assim.

Criar e cuidar de uma criança são tarefas árduas e, por isso, não deve ser responsabilidade somente da mãe. Quando há colaboração dos dois, o trabalho fica mais leve e a formação do seu filho muito mais rica. É preciso participar efetivamente de todos os processos de criação e desenvolvimento. Estar junto não só na hora da bronca, mas também na hora de aconselhar, de brincar, de dormir. Ser pai, assim como ser mãe, é uma questão de laço, que deve ser construído a cada dia.

É normal que nos primeiros meses de vida do bebê, enquanto ele ainda está sendo amamentado e durante o período de licença-maternidade, a mãe passe mais tempo com o filho. Enquanto isso, cabe ao pai tirar um tempo livre para estar presente. Quando a rotina se normalizar, é importante que os dois dividam as tarefas para que a criança se sinta bem atendida e amada de maneira igual.

Conforme a criança for crescendo, a participação deve ser ainda mais ativa. É hora de estar atento ao seu comportamento com amigos, escola, socialmente. Ser presente de forma geral: na hora de aconselhar e também na hora que for preciso brigar. Quando o pai se torna uma referência de pessoa e amigo, fica muito mais fácil de educar.

E o mais importante: não existem fórmulas ou regras. Esteja apenas atento ao que seu filho precisa e disposto a ajudar. Seja carinhoso, amoroso e atencioso. Participe de cada detalhe do desenvolvimento da criança. Isso será tão prazeroso pra você, quanto importante para ela.